Páginas

25 janeiro 2012

Costurices...

Quando eu era criança toda a minha roupa era feita pela minha tia. Foi com ela que aprendi os rudimentos da costura. Ficava fascinada ao vê-la dar forma a um pedaço de tecido, transformando-o em roupa. Foi através da observação do seu trabalho que me aventurei um dia a fazer a minha primeira blusa que, tendo em conta a minha experiência, ficou muito bem. Agora minha tia está num lar, quase cega e completamente incapacitada de fazer qualquer trabalho manual. Há uns tempos tinha-me oferecido a sua mesa de trabalho, agora alguns dos seus livros de costura e uma das suas máquinas de costura. Fica-lhe o alento que os seus objectos irão ser estimados e usados. Eu fico-lhe profundamente agradecida não só porque estes objectos fazem parte das minha memórias de infância, mas também porque são muitíssimo úteis.
Quanto a mim, com a chegada da máquina, ando a tentar perder o meu medo de coser. Quando criança numa das minhas experiências, às escondidas da minha avó, furei o meu dedo na sua velhinha Husqvarna (uma daquelas máquinas pretas antigas). Desde então faço tudo, menos coser à máquina. O que é uma grande limitação, visto ter de estar sempre à espera da disponibilidade de terceiros para concretizar os meus projectos (neste caso o pai cá de casa). Ontem já consegui coser um pouquinho  sem medo. A verdade é que com as máquinas de costura mais recentes é quase impossível furar um dedo. Quando acabar por vencer este meu receio, tenho já vários projecto iniciados e prontinhos a ser acabados por mim na máquina de costura da minha tia M.


13 comentários:

  1. Eu adorava saber costurar, é um dos projectos que gostaria de concretizar este ano, já tenho a máquina á muito tempo, mas ela não costura sozinha ;-) já tentei sozinha mas não correu muito bem, tenho mesmo que fazer um mini curso, força para as Costurices :)

    ResponderEliminar
  2. Também cresci com a minha mãe a costurar a nossa roupa, mas sempre achei uma chatice por isso nunca me preocupei em aprender. Mas filho de peixe sabe nadar e descobri que até tenho jeito. Fui eu que fiz as cortinas para os quartos dos miúdos e outras coisas pequenas mas nunca me tinha aventurado em coisas mais a sério. Então no outro dia lembrei-me de experimentar virar o colarinho de uma camisa do meu marido. E ficou bem. Fiquei tão contente!!
    E tenho montes de ideias para fazer, haja tempo para eles!
    Bjos e boas costuras.

    ResponderEliminar
  3. que lindo* As minhas tias também me deram as suas máquinas, uma das quais é a minha grande companheira, e passaram-me grande parte dos seus utensilios, tecidos e material de apoio no âmbito das costurices!!!
    As coisas tem um cheiro e um toque especial que nos fazem passear pela memória!!!
    Boas costuras**

    ResponderEliminar
  4. :) Fico muito feliz com essa novidade! Já descobriste que é praticamente impossível a máquina fazer-te mal. ;)

    ResponderEliminar
  5. Lá em casa era a minha mãe. Adorava ficar ao lado dela a ver a transformação. tenho pena de não ter herdade essa arte :(

    ResponderEliminar
  6. Lá em casa era a minha mãe. Adorava ficar ao lado dela a ver a transformação. tenho pena de não ter herdade essa arte :(

    ResponderEliminar
  7. Lá em casa era a minha mãe. Adorava ficar ao lado dela a ver a transformação. tenho pena de não ter herdade essa arte :(

    ResponderEliminar
  8. boa noite antes demais quero dar-lhe os parabéns pelo seu blog, há muito tempo que o visito e tenho aprendido imensas coisas, nunca fiz nenhum comentário apenas porque nâo calhou, foi agora. um beijinho Ana

    ResponderEliminar
  9. boa noite antes demais quero dar-lhe os parabéns pelo seu blog, há muito tempo que o visito e tenho aprendido imensas coisas, nunca fiz nenhum comentário apenas porque nâo calhou, foi agora. um beijinho Ana

    ResponderEliminar
  10. eu com as máquinas não me entendo. as coisas que faço em feltro coso tudo à mão.
    A sorte é que a minha mãe é muito habilidosa e a sogra é costureira...
    beijocas

    ResponderEliminar
  11. Kakia: Vamos ver, vamos ver ;-)

    Sónia: Obrigada! Força nas tuas costurices ;-)

    Cristina: Tinhas a experiência pela observação :-) Tal qual como eu. É uma grande ajuda ;-)

    Jô: Obrigada!As coisas tem mesmo um cheiro e umtoque especial, é tão bom :-)

    Flor de Lima: Sim agora já começo a perder o medo ;-)

    Sabor casa: Experimenta quem sabe não descobres que afinal essa arte está em ti :-)

    Ana Almeida: Muito obrigada :-) Nunca calhou, mas quando calhou, calhou muito bem ;-)

    Helena: Que sorte em teres essas abilidosas mulheres à tua volta :-)

    ResponderEliminar
  12. Olá Luisa! Não tenho dúvidas, que daqui em diante, bons projectos irão sair dessa máquina!

    ResponderEliminar