Páginas

17 Setembro 2014

À Sombra das Cabaças

À sombra das cabaças estão os nossos patos.
Parecem lanternas penduradas e dão um aspecto mágico àquele canto do galinheiro.
São imensas e começo agora a pensar o que fazer com elas, algumas ideias começam já a fervilhar vamos ver se se concretizam.



16 Setembro 2014

37 de 365 Dias da Horta Encantada

Descobrir um arco-íris no lavatório e no lugar de me zangar apreciar a beleza da mistura das cores.

Cocorococó... Cocorococó...

Temos andado a explorar a lendas portuguesas, hoje foi a vez da lenda do Galo de Barcelos.  Lemos a "Lenda do Galo de Barcelos" do Expresso e “O senhor do galo de Barcelos e o milagre do enforcado” do livro "Lendas Portuguesas da Terra e do Mar" de Fernanda Frazão.
Sempre presente, esteve o Galo de Barcelos que era da minha avó. Esperámos em vão que cantasse, mas pelo menos serviu de modelo aos desenhos das crianças!


Aqui fica mais uma versão da lenda, do Arquivo Português de Lendas:

"Bem eu não sou do Norte mas tenho ouvido contar a história do Galo de Barcelos, aliás a Lenda do Galo de Barcelos. Diz a lenda que um peregrino foi acusado de ter roubado umas pratas da casa de um senhor e foi condenado ao enforcamento. Entretanto, antes de ir para a forca, ele pediu para se encontrar com o Juiz que ia ditar a sentença. O juiz está prestes a ir fazer a sua refeição, e essa refeição compunha-se de um galo. O galego como prova da sua inocência disse ao juiz que ele era tão inocente, tão inocente que quando ele começasse a comer o galo, que o galo se levantava da travessa e começava a cantar. O Juiz claro que não acreditou em nada disso e continuou a comer, e não ligou nada àquilo que o galego dizia. Entretanto o galego foi para a praça para ser enforcado, e a uma determinada altura, quando o galego estava prestes a ser enforcado, o galo levantou-se da travessa e cantou. O Juiz aí compreendeu então que o galego tinha razão, que ele estava inocente, e foi a correr para a forca. No entanto, depois veio a descobrir que o galego se salvou apenas porque o nó da forca estava mal feito e não porque o galo cantou. E é assim a história da lenda do Galo de Barcelos."

15 Setembro 2014

36 de 365 Dias da Horta Encantada



Ode ao Gato

Tu e eu temos de permeio 
a rebeldia que desassossega, 
a matéria compulsiva dos sentidos. 
Que ninguém nos dome, 
que ninguém tente 
reduzir-nos ao silêncio branco da cinza, 
pois nós temos fôlegos largos 
de vento e de névoa 
para de novo nos erguermos 
e, sobre o desconsolo dos escombros, 
formarmos o salto 
que leva à glória ou à morte, 
conforme a harmonia dos astros 
e a regra elementar do destino. 

José Jorge Letria

Números Que São Letras

Aprender pela experiência tem sido, sempre que possível, o objectivo principal do nosso Ensino Doméstico.
Temos andado a estudar a numeração romana e depois de lermos uma parte do livro de Monteiro Lobato "A Arimética da Emília" (Sítio do Picapau Amarelo) metemos mãos à obra com a preciosa ajuda do livro "Jogos e Passatempos Romanos" de Salete da Ponte.
Construímos  2 jogos:
  • Jogo da Pirâmide ou da "caldeirinha"
    Com a ajuda do avô, que cortou as canas, construímos um triângulo dividido em 10 partes. Dentro de cada secção um número romano de I até X marcado com as canas mais pequenas. O número mais pequeno, o I,  fica na secção maior na base do triângulo e o X fica no vértice.
    Depois marca-se no chão a distância a partir da qual atiramos as nozes ou avelãs para dentro do triângulo.
    Ganha quem fizer a maior pontuação. 


  • O tabula (Duodecim Scripta)
    Construímos o tabuleiro do jogo em barro. Desenhámos 24 casas  e dentro delas os números romanos correspondentes.
    Cada jogador tem 15 peças. Lançam-se os dados para saber quantas casas andar.
    Cada jogador só pode mexer cada uma das suas peças um vez por jogada consoante o valor marcado no dado, mas pode ter todas as peças em jogo. Cada jogador pode parar onde tem peças suas mas não pode parar onde existem peças do adversário.
    Não há número limitado de peões por cada casa.
    Ganha o jogador que conseguir fazer chegar ao final o maior número das suas 15 peças. 



O resultado foi muito positivo e os dois tem interiorizado naturalmente a numeração romana.



14 Setembro 2014

35 de 365 Dias da Horta Encantada

Quem disse que as nuvens são brancas?
Com pores do sol, como o de ontem, e nasceres do sol como o de hoje fica a alma cheia.



13 Setembro 2014

34 de 365 Dias da Horta Encantada


"O Reino de Deus está dentro de ti e à tua volta. Parte um pedaço de madeira e eu estarei lá, levanta uma pedra e eu estarei lá. O Reino de Deus não está em construções de madeira e pedra"
Estigma (o filme)


12 Setembro 2014

33 de 365 Dias da Horta Encantada

Aprendermos juntos, uma das melhores coisas dos nossos dias.



"Uma mãe é capaz de ensinar mais do que cem professores." - Textos Judaicos


11 Setembro 2014

32 de 365 Dias da Horta Encantada

Apesar das temperaturas continuarem amenas já cheira a outono. A minha estação favorita!
Venha ele e as suas colheitas, as folhas, as cores castanhas e vermelhas, a luz dourada, a frescura, os dias mais curtos, agasalhos, chávenas de chá quentinhas que aquecem a alma, o aconchego da casa com a sua primeira lareira do ano. Venha ele que já me faz falta para iluminar a minha alma!

10 Setembro 2014

31 de 365 Dias da Horta Encantada

Há dias em que só um chá quente consola a alma. Hoje é um desses dias...

09 Setembro 2014

30 de 365 Dias da Horta Encantada


"Quem olha para fora sonha; Quem olha para dentro desperta"
Carl Young

08 Setembro 2014

Recomeço das Aulas de Costura

No final das férias, recomeçam hoje as minhas aulas de costura. Encontrei, aqui bem pertinho de casa, aulas de costura com uma mestre costureira muito competente.
Com a sua ajuda já fiz uma capa para o meu caderno, um vestido para minha filha e de duas calças, que já não serviam, umas novas para o meu filho.
Agora em projecto tenho um saco e umas calças para o inverno. Hoje começo o saco. 






29 de 365 Dias da Horta Encantada

Nos últimos dias tem chovido tanto aqui pelo Oeste que a poça de água da curva da estrada, em frente à nossa casa, encheu. O cheiro que as primeiras chuvas deixam pelo ar é maravilhoso. Mas apesar da chuva continua calor e hoje na volta a casa depois do passeio matinal os nossos cães, Tao e a Teca, não resistiram a dar um mergulho na poça de água. 



"Foi meditando sobre a gota de orvalho que desvendei o segredo do mar"
Kahlil Gibran




07 Setembro 2014

28 de 365 Dias da Horta Encantada


"As aves desapareceram do céu, e agora a última nuvem escoa as suas águas. Sentamo-nos juntos, a montanha e eu, até que só resta a montanha."
Li  Po 


05 Setembro 2014

26 de 365 Dias da Horta Encantada

Na caminhada matinal o "mundo" estava particularmente bonito ou se calhar eram os meus olhos que o viam assim através do nevoeiro.




"Dizem sempre que o tempo muda as coisas, mas na realidade somos nós próprios quem tem de as mudar."
Andy Warhol 


Pequenos Objectos Sempre à Mão

Os pequenos objectos das secretárias deles estavam sempre em desalinho e de difícil acesso e utilização. Depois de muito pensar na solução pusemos mãos à obra e utilizando embalagens plásticas vazias e fizemos vários recipientes que funcionam às mil maravilhas. 



O formato mais elevado de um dos lados, com um orifício de diferentes formas, serve para os colocar dentro de outro recipiente maior e assim poderem ser facilmente puxados para serem utilizados, permitindo ao mesmo tempo visualizar o conteúdo e acedê-lo sem problema.


04 Setembro 2014

25 de 365 Dias da Horta Encantada

Hoje é um dia triste... Nonô a princesa guerreira disse-nos adeus.
O céu "côderosa" da horta aqui fica em sua memória e em sinal de lembrança por todas as crianças que  travam batalhas semelhantes à da Nonô e ainda precisam da ajuda de todos nós. 



"A morte de um filho ajudou-te a perceber que o reino em que nos encontramos - o samsara - é um oceano de insuportável sofrimento."
O Livro Tibetano da Vida e da Morte - Soyal Rinpoche

Ensino Doméstico - Novo Ano Lectivo

Depois de umas férias de verão que me pareceram longas de mais, iremos começar hoje um novo ano lectivo.
O Ensino Doméstico continua a ser a nossa opção educativa e por isso as últimas semanas foram para reorganizar o espaço, comprar os livros e os repor os materiais em falha, mas principalmente foi altura de eu entrar em contacto com a matéria correspondente a cada uma das crianças cá de casa. Depois de tudo absorvido chegou a hora de planear.

A planificação tem sido uma grande aliada para conseguirmos cumprir os objectivos anuais. Planear é organizar, é arrumar ideias, é saber para onde vamos, quais são os objectivos, onde estão as fragilidades e as estratégias para as superar.

No primeiro ano fiz uma planificação anual extensíssima e demasiado rígida. Funcionou medianamente porque na verdade foi difícil cumprir objectivos a tão longo prazo, 9 meses.
No segundo ano por motivos de saúde (minha) não fiz a planificação, o que veio a demonstrar ser bastante cansativo. Viver para o dia a dia foi super desgastante para mim mas principalmente para as crianças. Apenas quando chegámos à Páscoa consegui planear o nosso estudo e só aí as coisas ganharam uma nova dinâmica.

As vivências destes dois últimos anos serviram para saber que planear demais e com muito avanço não é proveitoso mas também que sem um mínimo de planeamento as coisas não funcionam connosco. Esta é uma das mais valias do Ensino Doméstico, cada família poder escolher o que melhor se adapta a si e em particular aos seus filhos.
Assim, neste nosso terceiro ano, a planificação tem objectivos trimestrais e será aferida semanalmente. Vamos ver como funciona.
De acrescentar que a minha planificação este ano é feita à "moda antiga" ou seja à mão. No 1º ano foi feita em Excel mas a verdade é que consigo funcionar melhor assim com papel, lápis e borracha.

Outro aspeto muito importante tem sido a rotina. A rotina não é nada mais nada menos do que a aquisição de hábitos. Os hábitos permitem-nos viver dentro dos inúmeros afazeres diários sem stress, permitindo assim arranjar espaço e tempo para outras coisas fora da rotina que queiramos fazer.

O dentro das rotinas, o nosso estudo é por norma de manhã. Começamos por volta das 9h e terminamos por volta das 12h. Tem sido apenas 3 horas de trabalho diário e até aqui tem dado perfeitamente para cumprir com os objectivos a que nos propusemos. No entanto este 3º ano está a revelar um volume muito maior de matéria do que nos anos anteriores, por isso vamos adicionar pelo menos mais uma hora de trabalho. Como cá por casa acordamos todos bem cedinho, o mais certo é começarmos a trabalhar mais cedo. Mas isso ainda está para ver como vai funcionar, pois o principal é adaptarmo-nos às necessidades e particularidades de cada uma das crianças.




Para já são estas as novidades deste nosso 3º ano lectivo em Ensino Doméstico.
A "equipa" da Horta deseja um bom ano escolar a todas as famílias!


03 Setembro 2014

24 de 365 Dias da Horta Encantada

Os dias da horta às vezes também são de cidade. Como diz o Fausto, na letra da sua música "Ali Está a Cidade", a cidade "toca uma música boa".
Nos afazeres que nos levaram à cidade passámos por um centro comercial e achei muito engraçado a frase no vidro: "Por cada minuto que nos zangamos perdemos 60 segundos de felicidade" de Ralph Waldo Emerson. Mais uma vez assentou que nem uma luva ao momento presente esta frase no vidro.
Apesar de me sentir em casa em Lisboa, acho que já não conseguiria morar na cidade, estou apaixonada pelo Oeste e adoro a quietude rural. 




Ali esta a cidade
Letra e Música: Fausto Bordalo Dias

ali está a cidade
trémulos olhos da noite
toda em cimento se ergue
à tona dos desperdícios
sob um arco luminoso
como um monstro incandescente
faz-se de bela deitada
espapaçada na lama

ali está a cidade
rosto de sonos inquietos
estremunhada nas sombras
em contra luz rarefeita
finge-se um anjo da guarda
que se espreguiça felino
por fora assenta o colosso
em carne e osso por dentro

mas sobretudo a cidade
é um som
toca uma música boa
p’ra que eu me esqueça da alma ausente
que se perdeu pelas ruas
que eu não me perca também
ali está a cidade…

ali está a cidade
mão de mil dedos acessos
que acariciam diáfanos
o corpo dos inocentes
abre perversa o ragaço
à imagem de um paraíso
e aconchegou-se mais bela
e abandonei-me por ela

02 Setembro 2014

23 de 365 Dias da Horta Encantada

As aranhas são uns seres magníficos. Tenho aprendido a gostar delas e a apreciar as suas teias. Aos poucos e poucos começo a achá-las úteis e até já consigo olhar para elas sem me arrepiar.


A aranha do meu destino


A aranha do meu destino
Faz teias de eu não pensar.
Não soube o que era em menino,
Sou adulto sem o achar.
É que a teia, de espalhada
Apanhou-me o querer ir. . .
Sou uma vida baloiçada
Na consciência de existir
A aranha da minha sorte
Faz teia de muro a muro. . .

Sou presa do meu suporte

Fernando Pessoa 

01 Setembro 2014

31 Agosto 2014

21 de 365 Dias da Horta Encantada

Hoje é dia de festa cá por casa o A. faz 7 anos.
O presente que lhe oferecemos foi um tabuleiro de xadrez com as personagens da "Guerra das Estrelas" de que é fã. No correio chegou uma linda zebra feita pela tia.
Passado um pouco fui dar com ele a brincar com o tabuleiro, a zebra e a ursinha.
Ursinha v. Zebra! Quem ganhará a Guerra das Estrelas? 



Parabéns doce filho! 


30 Agosto 2014

20 de 365 Dias da Horta Encantada

Estamos na época da fartura e da abundância. Pêras, maçãs, uvas, a terra a dar os seus frutos. 



"Os vinhos são como os homens: com o tempo, os maus azedam e os bons apuram." Cícero 



29 Agosto 2014

19 de 365 Dias da Horta Encantada

Lentamente o outono avança....



"Beauty before me, I walk with;
Beauty behind me, I walk with;
Beauty above me, I walk with;
Beauty below me, I walk with;
Beauty all around me, I walk with."
Navajo Night Chant

28 Agosto 2014

18 de 365 Dias da Horta Encantada

Aqui entre a terra e o mar sinto o tempo a passar ao seu verdadeiro ritmo, nem depressa, nem devagar. Sinto o passar das estações pelas mudanças na natureza, uma folha que nasce, uma ave que chega de terras distantes, na fruta da época, no tapete de folhas que cobre o chão.
Tudo acontece a seu tempo, sem pressa.




"Tudo tem o seu tempo determinado, e há tempo para todo o propósito debaixo do céu" Eclesiastes 3:1

Hoje é Dia de Festa


Faz hoje 4 anos que chegámos a casa.
Depois de uma vida a morar entre Lisboa e Oeiras optámos por mudar o nosso rumo e sair do grande centro urbano para o meio rural.
Dividimos a vida entre a terra e o mar ao ritmo das estações.
Cultivamos e criamos muitos dos nossos alimentos.
Educamos os nossos filhos em casa.
Vivemos com menos dinheiro, mas com muito mais, mais amor, mais alegria, mais qualidade de vida.

Esta caixa de correio é o nosso presente dos 4 anos de vida no campo. Tal como a anterior foi feita e pintada por nós.



27 Agosto 2014

17 de 365 Dias da Horta Encantada

O melhor presente do mundo é receber  flores das mãos dos meus filhos.



" O monge perguntou:
- Pode dizer alguma coisa que transcenda os Budas e os Antepassados?
O mestre disse:
- Pão de sésamo."
Ensinamento Budista


Da Horta...

... tomate (quase a terminar), pepino, meloa e o nosso último feijão da época. Tudo muito delicioso, excepto a meloa que não voltaremos a plantar. Este é o 3º ano que tentamos meloas e melões sem sucesso. As meloas são sensaboronas e os melões tem tido sempre doenças acabando por nunca dar nada. 




O último feijão verde já está destinado hoje para o jantar como peixinhos da horta.

26 Agosto 2014

16 de 365 Dias da Horta Encantada

Hoje chove por aqui e a temperatura ronda os 22 Cº.
A paisagem começa a lentamente a vestir-se de outono, no entanto no jardim da avó ainda temos tufos de flores coloridas.



"Você precisa de seus inimigos para ser quem você é.
A alma humana é ao mesmo tempo divina e diabólica, sagrada e profana, pecadora e santa.
(Tradições orientais dizem que o santo e o pecador são faces da mesma moeda)
Uma vez que entenda isso, descobrirá que ter sombra é normal."
Deepak Chopra