Páginas

26 abril 2015

258 de 365 Dias da Horta Encantada

Lá fora, apesar de não fazer frio, a chuva marcou o dia. Que melhor aquecedor de almas-que-precisam-de-sol do que um cházinho morninho?




24 abril 2015

23 abril 2015

255 de 365 Dias da Horta Encantada

Nos últimos tempos, como forma de mitigar as dores da alma, voltei de novo às tintas e aos pincéis. Que bem me tem sabido! 



22 abril 2015

254 de 365 Dias da Horta Encantada

“We must…realize that we are not apart from nature; we are a part of nature, and to betray nature is to betray us. To save nature is to save us.”


21 abril 2015

253 de 365 Dias da Horta Encantada

Desde a Aurora

Como um sol de polpa escura
para levar à boca,
eis as mãos:
procuram-te desde o chão,

entre os veios do sono
e da memória procuram-te:
à vertigem do ar
abrem as portas:

vai entrar o vento ou o violento
aroma de uma candeia,
e subitamente a ferida
recomeça a sangrar:

é tempo de colher: a noite
iluminou-se bago a bago: vais surgir
para beber de um trago
como um grito contra o muro.

Sou eu, desde a aurora,
eu — a terra — que te procuro.

Eugénio de Andrade, in "Obscuro Domínio"


252 de 365 Dias da Horta Encantada

Dia de corte de cabelo.



19 abril 2015

251 de 365 Dias da Horta Encantada

As limpezas de Primavera tem estado em destaque cá por casa. Hoje foi mais um desses dias de limpezas a fundo. Deslocar móveis, tirar tudo das paredes para depois de limpo tornar a arrumar tudo no sítio outra vez. Claro que os nossos ajudantes, L. e A.,  estão sempre por perto a dar uma mãozinha extra, quanto mais não seja com a sua alegria contagiante, como foi o caso de hoje.
Começámos a ouvi-los a rir à gargalhada e quando fomos espreitar deparamos-nos com este cenário. Enquanto transportavam o quadro descobriram o efeito criado pelo corpo da tela posto em frente dos seus corpos e divertiram-se no faz-de-conta-que-tenho-o-corpo-da-tela.
Fez-me recordar quando transportei a tela da escola para casa, sem ser embrulhada. Na rua toda a gente olhava para mim e só já quase a chegar a casa, quando me vi reflectida num vidro, compreendi a razão de tanta atenção alheia. 



18 abril 2015

250 de 365 Dias da Horta Encantada

Passámos o dia na grande cidade, Lisboa. Fomos visitar as Galerias Romanas da Rua da Prata. Tínhamos mais planos para o dia mas a fila era longa, bem como a espera. Por isso adaptámos-nos  ao que o dia nos ofereceu e apreciámos em pleno todo o encanto da Cidade Branca. 



17 abril 2015

249 de 365 Dias da Horta Encantada

Que bom inicio de dia! Pequeno almoço no quintal, com muita brincadeira à mistura.


248 de 365 Dias da Horta Encantada

Diálogos matinais com ele:
- Mãe eu não sei desenhar. Os meus desenhos são feios.
Olhei para ele e pensei como o poderia ajudar a superar este receio. Lembrei-me de lhe mostrar as pinturas de Jackson Pollock. Observou-as espantado. Sentou-se com a sua folha para desenhar, olhou para ela levantou-se e entregou-ma dizendo:
- O meu desenho! - disse esticando-me a folha- é invisível!

Acho que percebeu que na actualidade vale mais um bom conceito do que uma boa obra.


13 abril 2015

245 de 365 Dias da Horta Encantada

Curiosidades na montra de um alfarrabista, o horário dos comboios para o Paraíso...



244 de 365 Dias da Horta Encantada

O cheiro e a cor das glicíneas... 



11 abril 2015

243 de 365 Dias da Horta Encantada

Descobrir que o móvel da casa de banho tem novas decorações...
Conseguir contar até 10 e pensar que não vale a pena zangar-me, afinal o móvel até estava sem "alegria" e agora está muito mais divertido.


10 abril 2015

07 abril 2015

05 abril 2015

04 abril 2015

01 abril 2015

234 de 365 Dias da Horta Encantada

No primeiro dia de verdadeira primavera. Mudámos-nos de "armas e bagagens" para o quintal. O calor do Sol, depois deste tão longo inverno, foi regenerador.



31 março 2015

233 de 365 Dias da Horta Encantada

Mais uma surpresa no meu telemóvel. Uma selfie do A. ao espelho.