Páginas

01 agosto 2015

31 julho 2015

354 de 365 Dias da Horta Encantada

De cada vez que vou à praia adoro recolher tudo que me chama a atenção na areia. Pedrinhas, conchinhas, penas, pedaços de loiça rolada no mar, pedaços de madeira e Lágrimas de Sereia. 
No último dia que fomos à praia o mar deve ter remexido o fundo porque o areal estava coberto de pedras onde habitualmente só se encontra areia. As sereias devem ter chorado muito nessa noite porque juntamente com as pedras havia muitas Lágrimas de Sereia. Recolhi as que consegui e trouxe-as para casa. Hoje foi dia de as observar e descobrir entre os castanhos, brancos, transparentes e verdes um precioso vidro azul.    



30 julho 2015

353 de 365 Dias da Horta Encantada

Aquele momento em que descubro um segredo da natureza que me deixa eléctrica.
Percorro toda a casa a juntar os exemplares que tenho para confirmar a descoberta.
Confirmo que todos os búzios que temos em casa, marinhos ou terrestres (mesmo os fósseis), tem a sua espiral no sentido do ponteiro dos relógios.
Agora a pergunta seguinte. Porquê? Alguém sabe? Eu não...


O "Silêncio" da Noite

O "silêncio" da noite esconde uma magnífica sinfonia...
video


28 julho 2015

351 de 365 Dias da Horta Encantada

Nos últimos meses apaixonei-me pelo eco print ou impressão de plantas. Uma espécie de captura da "alma vegetal", pura magia. Tenho trabalhado em papel o suporte mais gratificante para mim. É sempre uma tremenda emoção a descoberta do resultado final. Estes são apenas alguns dos trabalhos obtidos.



27 julho 2015

350 de 365 Dias da Horta Encantada

Tem tardado em ficar maduras as amoras. Começámos hoje, finalmente, a recolhê-las. Os meus pequenos ajudantes trabalharam afincadamente e todos juntos conseguimos apanhar 1kg. Claro que no final as mãos e as bocas coloridas denunciavam muito bem o que estiveram a fazer. Belo lanche, amoras acabadas de apanhar!  



Da Horta

Da horta hoje, deliciosos physalis. 



349 de 365 Dias da Horta Encantada

Quase a chegar a casa ouvi o A. a murmurar entre dentes "Hoje fizemos muita coisa" e foi verdade. 
Percorremos muitos km, matámos saudades de amigos, piquenicámos, visitámos palácios, festejámos aniversários, vimos um filme, jantámos ao som de várias línguas, ouvimos um improvável, mas maravilhoso, trio musical (Uma checa, um inglês e um alemão) e terminámos o dia, ou melhor dizendo, a noite, a dar uma volta no carrossel. 
Um dia cheio, um dia em cheio! 



24 julho 2015

Muita Animação

Hoje foi dia de muita animação cá por casa. Literalmente, pois fizemos o nosso primeiro filme de animação. Nada melhor do que colocar a mão na massa para compreender como funcionam as imagens em movimento. Este foi o resultado, espero que gostam.

video

347 de 365 Dias da Horta Encantada

Podia ler sentada ou deitada? Podia, mas não era a mesma coisa. 



23 julho 2015

346 de 365 Dias da Horta Encantada

Mesmo com o copo vazio conseguimos observar o mundo com outro olhar e continuarmos a espantar-nos positivamente com a vida. Essa aprendizagem devo-a aos meus filhos e à sua infinita capacidade de encontrar a beleza e o espanto nas pequenas coisas que preenchem o nosso dia-a-dia.  

E veio-me à memória a música de Sérgio Godinho, "O Primeiro Dia":

"Enfim duma escolha faz-se um desafio
Enfrenta-se a vida de fio a pavio
Navega-se sem mar, sem vela ou navio
Bebe-se a coragem até dum copo vazio
E vem-nos à memória uma frase batida
Hoje é o primeiro dia do resto da tua vida"




22 julho 2015

345 de 365 Dias da Horta Encantada

Há dias tão perfeitos, mas tão perfeitos que temos medo de falar deles, não vá toda a beleza esfumar-se nos ares e ficar apenas e só a sombra. Há dias tão perfeitos, mas tão perfeitos que fica  a memória para a eternidade, no mais fundo da alma onde ninguém a pode roubar nem apagar.
Hoje tivemos um dia perfeito, um dia de mar, um dia de faróis, um dia de luz.
Fizemos eternidade! Só isso conta, olhar no infinito do mar e saber que foi de lá que viemos e que será a ele que voltaremos um dia...
(A foto foi tirada durante a visita ao Farol da Berlenga)


20 julho 2015

343 de 365 Dias da Horta Encantada

Dentro do saco dos brinquedos de praia surgiu um tesouro inesperado, areia da Berlenga. Areia húmida que ficou agarrada aos baldes e às pás, que depois de seca se acumulou no fundo do saco. Permitiu-nos  assim tirar duvidas quanto à cor da areia da ilha comparando-a com a da praia de Peniche.
Definitivamente a areia da Berlenga tem uma lindíssima cor "rosa-alaranjada" que lhe dá um encanto tão especial.

19 julho 2015

342 de 365 Dias da Horta Encantada

Na secção praias de sonho esta é mais uma delas. A praia de Peniche, que vai de Peniche de cima ao Baleal.
Chegámos à praia às 9 e pouco. Dos 4 km de areal que a vista alcança poucas eram as pessoas que por ali deambulavam àquela hora. Só quando saímos à hora de almoço a praia estava a encher.
Que magnífico dia de praia esteve hoje!

18 julho 2015

341 de 365 Dias da Horta Encantada

Diz-se por aí que, este ano, a praia da Berlenga Grande (Praia do Carreiro do Mosteiro) está entre as 5 mais bonitas de Portugal. Eu, que já tive a sorte de a poder visitar, em todas as estações do ano, digo que é verdade. É uma das praias mais bonitas que já visitei e não é só este ano que ela é bela é sempre.
Esta foto tem quase dois anos e foi tirada no final de outubro. A época balnear tinha terminado, os barcos já não faziam viagens durante a semana até à ilha. Estava completamente deserta, salvo as pessoas que por lá trabalham durante todo o ano e nós.
Na maravilhosa praia de areia "rosa" apenas nós e as gaivotas.
Um sonho!



17 julho 2015

340 de 365 Dias da Horta Encantada

Novas da "Novela do Ouriço". 
Os ouriços da Horta não vem sozinhos nem aos pares, vem aos trios. 
São agora três os "Ouriços Salteadores da Horta Encantada".
Vamos ver se esta noite o número aumenta.

15 julho 2015

338 de 365 Dias da Horta Encantada

Fabricámos sangue!
Um sangue de deixar qualquer vampiro com apetite. Glóbulos vermelhos (bolas vermelhas gelatinosas de hidratação das plantas), glóbulos brancos (bolas de ping pong) e plaquetas (espuma eva)! 



14 julho 2015

337 de 365 Dias da Horta Encantada

Num dos grupos do Facebook onde estou, alguém partilhou um poema de Guerra Junqueiro, que eu desconhecia, sobre a Escola Portuguesa datado de 1896.
Um poema que me tem dado que pensar.
Tão actual como há cento e tal anos.

A Escola Portuguesa

Eis as crianças vermelhas 
Na sua hedionda prisão: 
Doirado enxame de abelhas! 
O mestre-escola é o zangão. 

Em duros bancos de pinho 
Senta-se a turba sonora 
Dos corpos feitos de arminho, 
Das almas feitas d'aurora. 

Soletram versos e prosas 
Horríveis; contudo, ao lê-las 
Daquelas bocas de rosas 
Saem murmúrios de estrela. 

Contemplam de quando em quando, 
E com inveja, Senhor! 
As andorinhas passando 
Do azul no livre esplendor. 

Oh, que existência doirada 
Lá cima, no azul, na glória, 
Sem cartilhas, sem tabuada, 
Sem mestre e sem palmatória! 

E como os dias são longos 
Nestas prisões sepulcrais! 
Abrem a boca os ditongos, 
E as cifras tristes dão ais! 

Desgraçadas toutinegras, 
Que insuportáveis martírios! 
João Félix co'as unhas negras, 
Mostrando as vogais aos lírios! 

Como querem que despontem 
Os frutos na escola aldeã, 
Se o nome do mestre é — Ontem 
E o do discíp'lo — Amanhã! 

Como é que há-de na campina 
Surgir o trigal maduro, 
Se é o Passado quem ensina 
O b a ba ao Futuro! 

Entregar a um tarimbeiro 
Um coração infantil! 
Fazer o calvo Janeiro 
Preceptor do loiro Abril! 

Barbaridade irrisória, 
Estúpido despotismo! 
Meter uma palmatória 
Nas mãos dum anacronismo! 

A palmatória, o açoite, 
A estupidez decretada! 
A lei incumbindo a Noite 
Da educação da Alvoradal 

Gravai na vossa lembrança 
E meditai com horror, 
Que o homem sai da criança 
Como o fruto sai da flor. 

Da pequenina semente, 
Que a escola régia destrói, 
Pode fazer-se igualmente 
Ou o assassino ou o herói. 

Desta escola a uma prisão 
Vai um caminho agoireiro: 
A escola produz o grão 
De que a enxovia é o celeiro. 

Deixai ver o Sol doirado 
À infância, eis o que eu vos peço. 
Esta escola é um atentado, 
Um roubo feito ao progresso. 

Vamos, arrancai a infância 
Da lama deste paul; 
Rasgai no muro Ignorância 
Trezentas portas de azul! 

O professor asinino, 
Segundo entre nós ele é, 
Dum anjo extrai um cretino, 
Dum cretino um chimpanzé. 

Empunhando as rijas férulas 
Vós esmagais e partis 
As crianças — essas pérolas 
Na escola — esse almofariz. 

Isto escolas!... que índecência 
Escolas, esta farsada! 
São açougues de inocência, 
São talhos d'anjos, mais nada.

Guerra Junqueiro, in 'A Musa em Férias'



13 julho 2015

336 de 365 Dias da Horta Encantada

Pai e filhos fizeram o jantar.
Adivinham o que foi?
Panquecas com banana, gelado e molho de iogurte com morangos da Horta.
Um jantar bem diferente do habitual mas que soube mesmo bem.
Uma espécie de aquecedor de almas em recuperação dos stresses da última semana. 


12 julho 2015

335 de 365 Dias da Horta Encantada

Hoje foi a festa de final de ano das Oficinas de Expressão Artística.
Esta última semana de ensaios fê-los andar ansiosos e com algum nervoso miudinho, como é natural. 
Mas hoje, como não podia deixar de ser, tudo correu lindamente e o espectáculo foi um sucesso. 
Adoram estas oficinas e já nos pediram para voltar no próximo ano lectivo. Assim será!  


11 julho 2015

334 de 365 Dias da Horta Encantada

Tesouros da maravilhosa praia da Berlenga, penas de gaivota!
Quando chegámos de manhãzinha à praia encontrámo-la, como de costume, cheia de penas de gaivota. Durante um bocado caminhámos pela pequenina praia de cá para lá e recolhemos todas as penas que achámos bonitas. 



10 julho 2015

333 de 365 Dias da Horta Encantada

A novela do Ouricinho continua. 
Hoje foi apanhado, pelas crianças, literalmente com a boca na botija ou seja dentro da taça da comida dos gatos. 
Temos portanto ouriço residente. Os gatos que se cuidem! 



09 julho 2015

332 de 365 Dias da Horta Encantada

A pouco mais de um mês do desafio, dos 365 dias, que me coloquei acabar, partilho um "cheirinho" das experiências que tenho andado a fazer nos últimos tempos. Pintar com plantas.  



08 julho 2015

331 de 365 Dias da Horta Encantada

O ouricinho voltou a fazer-nos uma visita. Agora já consegue enrolar-se em bolinha. <3 



330 de 365 Dias da Horta Encantada

Tinha pedido ao pai para a ajudar a pendurar os restos dos cortinados da sua janela e fazer assim uma cama de princesa. Ontem resolveu que já não bastava. Escolheu mais um pano (neste caso uma velha cortina laranja) do armário dos tecidos. Com as contas, que o tio Miguel lhe deu no seu aniversário, fez uns pingentes. Assim passou toda a manhã até que orgulhosamente me chamou para mostrar o resultado.
A cama de princesa transformou-se em toca. Um esconderijo perfeito.
Pediu-me para tirar uma foto e pôr aqui no blog. Pedido concedido.
A modelo está a posar para a foto, mas é mesmo ali que ela gosta de ler os seus livros.