Páginas

11 Abril 2014

{este momento} - {this moment}


{this moment} - A Friday ritual. A single photo - no words - capturing a moment from the week. A simple, special, extraordinary moment. A moment I want to pause, savor and remember.

Original idea from Soule Mama.

{este momento} - Um ritual de Sexta-feira. Uma simples foto - sem palavras - capturando um momento da semana. Um momento simples, especial e extraordinário. Um momento que eu quero parar, saborear e recordar

Ideia original de Soule Mama.



10 Abril 2014

Ovos de Dinossauro

Na Páscoa não são só os ovos de aves que andam na ordem do dia cá por casa. São também os ovos de dinossauro.



Utilizámos balões, nos quais colocámos dinossauros pequeninos, enchemos com água colorida e purpurina e foram a congelar. 




Depois de prontos organizámos uma caça aos ovos. De seguida  "ajudámos" os dinossaurinhos a nascer dentro de água.
Uma tarde cheia de brincadeira a repetir com o tempo mais quente.

07 Abril 2014

Semear Uma Sombra


Para comemorar a chegada da primavera, inspirados por Arcimboldo, resolvemos fazer a nossa menina Primavera.




Utilizámos um cartão e usando o A. como modelo desenhámos a sua sombra.



Depois de recortada o molde ganhou semelhanças com a sombra de Peter Pan.



Colocámos uma toalha impermeável em cima da mesa sobre a qual colocámos a nossa "sombra". Depois de abundantemente borrifada foi semeada. Durante uma semana foi cuidadosamente regada de forma a  manter a humidade constante permitindo assim as sementes germinarem.



Foi interessante observar a germinação das sementes com a L. e o A., levantaram-se muitas questões e lá fomos juntos em busca das respostas.




Quando a nossa sombra já tinha germinado o que nós achámos ser o suficiente, fomos apanhar flores para completar a menina Primavera. (chiu!...não contem à avó, mas fomos ao seu quintal apanhar a maioria das flores ;-) ) 




Flor a flor...



Folha a folha...




Finalmente a nossa Primavera ficou pronta, mesmo a tempo da chegada do bom tempo.


Feliz primavera para todos!



04 Abril 2014

{este momento} - {this moment}


{this moment} - A Friday ritual. A single photo - no words - capturing a moment from the week. A simple, special, extraordinary moment. A moment I want to pause, savor and remember.

Original idea from Soule Mama.

{este momento} - Um ritual de Sexta-feira. Uma simples foto - sem palavras - capturando um momento da semana. Um momento simples, especial e extraordinário. Um momento que eu quero parar, saborear e recordar

Ideia original de Soule Mama.


03 Abril 2014

Família Casca de Ovo

Na época da abundância dos ovos nada como dar asas à imaginação e criar uma família ovóide com direito a penteados radicais. 



01 Abril 2014

Pão de Bolota

Depois de um longo e chuvoso outono-inverno estou de regresso com a receita de pão de bolota. 
Há já muito tempo que queríamos experimentar fazer este magnífico pão lusitano. No outono recolhemos bolotas principalmente de carvalho e sobreiro. Depois com base numa receita que encontrámos "aqui" fizemos o nosso pão. 





Em primeiro lugar cozemos as bolotas, com a casca sem serem cortadas. A cozedura faz com que percam os seus taninos que são a principal causa do amargo da bolota. 
Depois de cozida a bolota é descascada e moída na picadora em farinha.
O excesso de farinha pode ser congelado para não se estragar.



Receita do Pão de Bolota

100 ml de Azeite
750ml de água morna
500gr. de farinha de bolota 
1,5 kg de farinha de centeio sem fermento
60gr. de fermento de padeiro
sal a gosto
6 colheres de sopa de mel
Começar por misturar as farinhas de centeio (do 1,5kg reservamos 0,5 kg para mais tarde) e bolota. Misturar bem e de seguida adicionar a água com o fermento e o sal misturado. Tornar a amassar bem e por fim incorporar o azeite e o mel. Amassar muito bem juntando mais um pouco de farinha se se achar necessário (até deixar de colar das mãos). 



A massa vai a levedar em local quentinho (nós colocámos a nossa perto da lareira - Perto! Não em cima da lareira). 



Ao final de aproximadamente 7 a 8 horas este é o aspecto da massa. 



Tornar a amassar utilizando o resto, se necessário, da farinha  de centeio. Volta a levedar por mais 2 ou 3 horas em local quentinho.



Ao final desse tempo, sem voltar a amassar, coloca-se a massa num tabuleiro e vai ao forno a cozer.



Depois de cozido este é o magnífico aspecto do Pão de Bolota.



Não é só o aspecto que é magnífico é também o sabor, fez as delicias de todos cá por casa. O pão dos nossos antepassados é sem dúvida o melhor pão que já comi. 


21 Outubro 2013

Ciclo de Amor

Há uns tempos a jornalista Laurinda Alves, no seu blog, publicou o seguinte texto:
«O MAIOR PRESENTE DA VIDA? Poder ter os meus pais a morar comigo naquele que é seguramente o último ciclo da vida deles, e podermos todos fazer esta escolha com liberdade e sem aflições. Ou seja, sem ser em estado de emergência, estando eles ainda com saúde e muita autonomia. Não concebo maior dádiva do que esta, e sei que muitos filhos gostariam de poder fazer o mesmo com os seus pais em vez de os visitarem à pressa na vertigem dos dias ou, pior, de os irem ver ao hospital ou a um lar de onde é impossível não sairmos sempre meio desolados. Confesso que o testemunho que os meus próprios pais deram, quando trouxeram os meus avós para nossa casa, me marcou para o resto da vida. A minha querida-adorada avó Laurinda morreu na sua cama, no seu quarto, em nossa casa, rodeada por toda a família alargada e numerosa. Não consigo imaginar uma morte mais tranquila. Deus queira que este nosso ciclo familiar ainda seja longo e feliz, mas há muitos anos que sonhava com isto. Comove-me a realização deste sonho e se há pais que merecem este suplemento de alegria e ternura, são pais como os meus. E há muitos como eles, felizmente. Amanhã, depois e depois estamos em mudanças. Muito cansativo, mas muito bom.»

Estas palavras tocaram-me bem fundo na alma.

Também eu me lembro de, em criança, presenciar o tratamento e cuidado dado aos idosos da família. A memória mais antiga vai para a minha bisavó Mariana. Lembro-me de olhar com um grande respeito e admiração aquela que era então a matriarca da família, sentava-me junto dela e ouvia as suas histórias de vida sem nunca me cansar. Viveu os seus últimos dias juntos dos seus filhos sempre rodeada de muito amor e carinho com todo o respeito que lhe era devido. Rodeada de amor deu o último suspiro na sua cama. Foi também assim com quase todos os meus avós e bisavós, a excepção para a minha avó materna que contra sua vontade faleceu no hospital longe da sua cama e da sua casa.


(desconheço a origem desta imagem  bem como o seu autor, se alguém souber agradeço que me diga para poder colocar os respectivos créditos)
Aqui pela horta, o nosso projecto de vida teve sempre em atenção os nossos pais ( agora apenas os meus, visto que os meus sogros já faleceram). Quando construímos a nossa casa reservámos uma parte de casa para os meus pais, um quarto com casa de banho e uma sala com "kitchenette".  Casas separadas, porque a privacidade de cada um é importante.
Por agora os meus pais continuam a ter a sua casa e a ir e vir sempre que lhe apetece. Inicialmente estavam mais tempo lá do que cá, agora passam cada vez mais tempo connosco. Começam a sentir esta também como a sua casa e a sentir-se mais acompanhados agora que o "crepúsculo dos deuses" se começa a adivinhar. Por outro lado têm o enorme privilégio de acompanhar o crescimento dos netos e sentem-se muito felizes com isso. Para as crianças têm sido também tempos especiais estes de comunhão com os avós. Para mim tem sido reconfortante senti-los por perto  e saber que todos estão felizes, avós e netos.

Estará ainda longe a necessidade de cuidados dos meus pais, assim o espero, mas quando for necessário cá estarei para cuidar deles tal como eles um dia cuidaram de mim.
É o fechar de um ciclo de amor.

18 Outubro 2013

{este momento} - {this moment}

{this moment} - A Friday ritual. A single photo - no words - capturing a moment from the week. A simple, special, extraordinary moment. A moment I want to pause, savor and remember.

Original idea from Soule Mama.

{este momento} - Um ritual de Sexta-feira. Uma simples foto - sem palavras - capturando um momento da semana. Um momento simples, especial e extraordinário. Um momento que eu quero parar, saborear e recordar

Ideia original de Soule Mama.

17 Outubro 2013

Sopa de Letras

Aproveitando o calorzinho que se tem feito sentir neste início de Outono fizemos uma sopa de letras no quintal.
Desenhadas as letras, maiúsculas e minúsculas, sobre placas EVA de cores distintas de forma a distinguir vogais e consoantes são depois recortadas.
Depois é só colá-las na "sopa" e brincar, brincar e brincar!


16 Outubro 2013

Redescobrir Caminhos

No final de semana passado fui ao TedxLisboaED - Por uma revolução na educação. Foi muito bom ouvir tantas ideias valiosas. Pelo caminho de regresso, cheia de inspiração, fazia o exercício mental sobre qual a melhor forma de ajudar a esta mudança. Mil e uma ideias cruzavam-me a mente. Chegada a casa continuava a divagar, até que fui chamada à "Terra" pelo pai da casa.
Pela Horta Encantada nós já começámos a mudança educacional!
No dia em que o Ensino Doméstico passou a ser a nossa opção educativa,  revolucionámos não só a educação dos nossos filhos mas toda a nossa vida.
Utilizámos o caminho menos percorrido, dizem. Mas talvez este não seja o caminho menos percorrido se olharmos para a história. A escola existe apenas há aproximadamente 200 anos, os seres humanos há uns milhares. Será que antes destes 200 anos de educação formal não aprendíamos? Claro que  aprendíamos, é inato ao ser humano aprender! Aprendíamos no seio da família e da comunidade que nos rodeava.  Não estamos a seguir o caminho menos percorrido mas antes a redescobrir um caminho longamente trilhado por todos os nossos antepassados.

Esta é, por agora, a nossa "revolução", descubram qual é a vossa.
Façam a diferença quer sejam professores, pais ou alunos. Questionem, questionem-se!


Professor José Pacheco no TEDxAveiro 

18 Setembro 2013

Tintas Refrescantes

Com o Verão quase, quase a chegar ao fim, nada melhor para lhe dizer adeus que um momento refrescante com tintas fresquinhas.
Colocámos em cuvetes  tintas misturadas com um pouco de água. Depois de congeladas ficaram prontas a usar como lápis gelados.

16 Setembro 2013

Novo Ano Lectivo

Para quem nos acompanha sabe que o ano passado foi a nossa estreia no 1º ano do 1º ciclo. Digo a nossa, porque a L. entrou o ano passado para o 1º ano mas na opção de Ensino Doméstico, ou seja, a sua "sala de aula" foi aqui pela Horta.
Tenho de confessar que inicialmente estava com receio de como tudo pudesse correr, no entanto este 1º ano superou todas as nossas expectativas e apesar de cansativo foi um ano lectivo muito bom.
Acredito que para isso contribuíram em grande medida três coisas: motivação (minha e dela), planificação e rotina (falarei delas numa próxima oportunidade).
Este é portanto o nosso 2º ano em Ensino Doméstico e para aumentar o desafio este é o ano em que o A. entra para o 1º ano na mesma opção.

Na nossa sala de estar,como acredito sejam a maioria das salas, é o coração da nossa casa. Mas a nossa sala não é uma sala típica. Temos as paredes decoradas com mapas, relógio de brincar, cartazes com as letras, etc... Os materiais como por exemplo folhas, lápis, canetas, plasticinas, pincéis e tintas, dentro da medida do possível, estão todos aos dispor das crianças, para serem usados sempre que queiram.
Sobre as mesas e pelo chão há sempre livros e trabalhos em evolução. Gosto que seja assim, dá alma à casa, a nossa alma!

Está tudo pronto para um novo começo, nas prateleiras e gavetas de cada um deles os seus livros e materiais específicos e prontos a usar.
Sobre as duas pequenas mesas, prontas a usar, caixas com as canetas, lápis, lápis de cera, borrachas, afias, réguas, tesouras, colas e tudo o mais de que precisem.


O ano lectivo inicia-se hoje cá por casa.
Se bem que aqui pela Horta é difícil distinguir o que é um ano lectivo, porque a verdade é que estamos permanentemente em aprendizagem. É assim a vida, não é? Sempre a aprender!

12 Setembro 2013

Na Época do Tomate....

"Na época do tomate todas as cozinheiras são boas" dizia vezes sem conta o meu bisavô. Por isso nada como conservar tomate para o resto do ano e manter assim o nível dos cozinhados! A receita é a que temos sempre utilizado e que podem ver aqui.
Mas a produção deste ano tem sido tão boa que é impossível conservá-lo toda desta forma, por isso estamos a escolher os melhores que se vão conservar, por mais tempo, em tabuleiros. Temos congelado, temos dado às galinhas e agora chegou a vez dos doces (doce de tomate o meu favorito) e chutneys.
Como a época do tomate coincide com a época da maçã estamos a fazer Chutney de Maçã e Tomate, uma delícia, acompanha muito bem com carnes, queijo ou simplesmente no pão. Aqui fica a receita:

1,5 kg de tomate bem maduro
700 g de cebola picada
1kg de maçã
500ml de vinagre de vinho branco
350g  de açúcar
175g de sultanas
2 colheres de chá de sal
1 colher de chá de cravinho em pó
1 colher de chá de gengibre em pó
1/2 colher de chá de pimenta
Retirar a pele ao tomate. Picar a cebola e a maçã. Juntar tudo num tacho e mexer bem até estar tudo misturado. Levar ao lume e deixar ferver, mexendo sempre durante 40 a 45 minutos. Colocar em frascos esterilizados e fechar a quente. Guardar durante 2 meses, local escuro, antes de utilizar.

09 Setembro 2013

"Saldos" no Galinheiro

Com o Verão em contagem decrescente, o nosso galinheiro tem sido alvo de novos "compradores" de galinhas, doninhas ou furões. Para estes pilha-galinhas parece que o nosso galinheiro está em "saldos". Sorrateiramente, durante a madrugada, noite sim, noite não, matavam uma franga. Podiam ao menos levá-la, mas não, deixavam sempre a pobre pelo chão do galinheiro depois de lhes "chupar" todo o sangue, qual vampiro.
Resolvemos colocar um manequim, já sem utilidade, que apareceu pelo trabalho do "pai da casa" no galinheiro, não para fazer companhia às galinhas mas para servir de espantalho para os predadores.
Na primeira noite resultou, mas por via das dúvidas não fossem os "bichanos" habituar-se ao manequim, retirámos a electrificação da horta contra-coelhos (que foi um sucesso, visto que nunca mais nenhum dos fofinhos animais voltou a banquetear-se à nossa custa) e colocámo-la no galinheiro. Já passaram quinze dias e até agora está a funcionar.

06 Setembro 2013

{este momento} - {this moment}


{this moment} - A Friday ritual. A single photo - no words - capturing a moment from the week. A simple, special, extraordinary moment. A moment I want to pause, savor and remember.

Original idea from Soule Mama.

{este momento} - Um ritual de Sexta-feira. Uma simples foto - sem palavras - capturando um momento da semana. Um momento simples, especial e extraordinário. Um momento que eu quero parar, saborear e recordar

Ideia original de Soule Mama.

05 Setembro 2013

"Do barreiro à roda do oleiro"

Fomos ao Redondo à descoberta do barro e da olaria.
Apesar do calor alentejano que se fazia sentir ficámos maravilhados. As crianças gostaram tanto que pediram para voltar para o próximo ano.
Começámos por visitar o barreiro, local onde, hoje em dia, apenas um oleiro, Mestre Baeta, continua a retirar o barro de forma artesanal que depois trabalha até obter a pasta que utiliza na olaria . No final tivemos o privilégio de poder visitar a sua olaria.
Mas antes visitámos a oficina do Mestre Xico Tarefa e pudemos experimentar, com o auxílio das mãos do mestre, a roda do oleiro.
Oficina do Mestre Xico Tarefa
Uma tarefa que parece fácil ao olhar mais distraído mas que é bastante árdua para iniciantes e pode, segundo os entendidos, levar até dois anos até adquirir toda a mestria do manejo da roda. A reter uma frase do mestre: "o barro tem memória" referindo-se aos possíveis empenos das peças que quando não são corrigidos, ainda na roda, podem ficar estragados no forno durante a cozedura.
As crianças puderam ainda experimentar a arte de trabalhar o barro com as mãos  com a ajuda do escultor Luís, filho de Mestre Xico Tarefa.
Depois visitámos o Museu do Barro do Redondo onde se podem admirar, entre outras coisas, várias peças ligadas aos usos e costumes dos nossos avós.
Cozinha à moda antiga no Museu do Barro 
Depois de almoço visitámos a loja-atelier do Mestre Xico Tarefa, onde descobrimos lindíssimas peças e podemos ver como se processa a pintura à mão da loiça de barro.
Pintura de loiça
Belíssimo prato do Mestre Xico Tarefa
Por fim, visitámos a olaria do Mestre Baeta, um museu vivo das antigas olarias no Redondo. A sensação mal entramos no espaço é a de termos sido transportados no tempo para um lugar que já não existe. Animais e pessoas circulam pelo espaço com a maior naturalidade. Por agora os animais são apenas cães mas em tempos também as galinhas por ali deambulavam.
Mestre Baeta fazendo um prato de Sericaia
Olaria com o forno ao fundo 
Roda do oleiro
Sala da roda do oleiro
Ao final do dia regressámos à Horta com a alma cheia.

Esta actividade, "do barreiro à roda do oleiro", foi organizada no âmbito do Ciência Viva no Verão, pelo Departamento de Geociências da Universidade de Évora.

30 Agosto 2013

{este momento} - {this moment}


{this moment} - A Friday ritual. A single photo - no words - capturing a moment from the week. A simple, special, extraordinary moment. A moment I want to pause, savor and remember.

Original idea from Soule Mama.

{este momento} - Um ritual de Sexta-feira. Uma simples foto - sem palavras - capturando um momento da semana. Um momento simples, especial e extraordinário. Um momento que eu quero parar, saborear e recordar

Ideia original de Soule Mama.

29 Agosto 2013

Três Anos de Vida no Campo...

Esta madrugada fez 3 anos que dormimos pela primeira vez na nossa nova casa. Quando nos mudámos ainda por cá andavam os homens das obras que estavam a acabar de pintar. Foram embora poucos dias depois. 
Há 3 anos 
Tirei esta foto hoje mais ou menos do mesmo sítio de há 3 anos. Para além da pintura da casa, uma coisa é notória, o pequeno sobreiro cresceu e muito.  

Três anos depois 

A relatividade do tempo leva-nos a sentir o tempo com velocidades diferentes.  Se estamos bem parece que foge, caso contrário parece que no mostrador os ponteiros ficam presos no mesmo minuto durante "séculos".
Aqui pela horta, 3 anos passaram rapidamente o que significa apenas uma coisa, esta nossa mudança de vida está a superar todas as nossas expectativas.
Em suma, Somos Felizes!

19 Agosto 2013

Robins da Horta

As crianças e o pai empreenderam na construção de arco e flechas. Escolheram um ramo de madeira de macieira para o arco e andaram dias a prepará-lo para que adquirisse a  forma desejada. Depois escolheram umas canas para as flechas, a ponta foi protegida por elásticos (para não haver acidentes com pessoas ou animais)  e no outro extremo foram colocados pedaços de penas para ajudar a direccionar a flecha. 
Depois de tudo pronto foi ver  a alegria dos Robins da Horta a experimentar a sua utilização e a constatarem que afinal não é tão fácil, como parece nos filmes, manejar um arco e uma flecha.




16 Agosto 2013

{este momento} - {this moment}



{this moment} - A Friday ritual. A single photo - no words - capturing a moment from the week. A simple, special, extraordinary moment. A moment I want to pause, savor and remember.

Original idea from Soule Mama.

{este momento} - Um ritual de Sexta-feira. Uma simples foto - sem palavras - capturando um momento da semana. Um momento simples, especial e extraordinário. Um momento que eu quero parar, saborear e recordar

Ideia original de Soule Mama.