Páginas

28 março 2011

A Barrela

Ontem descobri no livro da 3ª classe de uma das minhas tia, datado de 1950, um texto sobre a barrela. Achei curiosa a descrição de como as cinzas eram utilizadas para branquear a roupa. Faziam uma líxivia de cinzas que depois vertiam a ferver sobre a roupa.  Uma trabalheira imensa que as mulheres tinham para ter a roupa impecavelmente limpa.
Bendita invenção, a da máquina de lavar a roupa. Será que a líxivia de cinzas funciona nela? Tenho de experimentar.


Aqui fica o texto da barrela:

"- Que está a tia Ana a fazer? Aquela cinza assim, em cima da roupa já lavada, vai sujá-la mais do que estava...
Isto dizia à mãe o Alberto, rapazinho da cidade, que nunca tinha visto fazer uma barrela, ignorando, portanto, que a cinza da lenha é a substância de que se extraem em grande parte os elementos com se fabrica o sabão.
Electivamente, em terras da província é muito vulgar ver, nas ribeiras aonde as mulheres vão lavar a roupa, fazer uma barrela, para evitar maior consumo de sabão.
O Albertinho reparou então melhor e viu que a tia Ana, depois de lavar a roupa, a punha dentro de um cesto, coberto com um pano limpo, e numa fogueira colovava um caldeirão com água e cinza.
Depois, quando tudo estava a ferver, lançava essa mistura sobre o pano que cobria a roupa. A água então escorria, escorria, indo encharcar tudo.
A tia Ana tornava em seguida a passar a roupa na água corrente da ribeira, dava-lhe mais uma pequena lavagem, torcia-a bem para escorrer a água toda, e ia estendê-la ao sol, molhando-a de vez em quando com um regador, para corar bem, dizia ela.

E que branquinha a roupa ficava depois, sem nenhuma nódoa!"

14 comentários:

  1. Que giro...

    Eu tenho 3 livros da escola primária do meu pai :) Mas penso que em nenhum deles aborda esse tema. Guardei-os porque um dia serão uma bonita recordação.

    Gostei da história da barrela e das cinzas... há costumes antigos, que nem têm assim tantos ano que a maioria das pessoas hoje em dia desconhece completamente.

    Grata pela partilha :))

    ResponderEliminar
  2. Muito interessante! Sempre pensei que a barrela era "ensaboar"e dexar um tem ao sol antes de lavar. Estamos sempre a aprender...
    Um beijinho, e boa semana!

    ResponderEliminar
  3. O poder das cinzas!!

    Obrigada por partilhares estes pequenos tesouros?


    Bjs

    ResponderEliminar
  4. Olá Luísa,

    Também tenho os livros da primária dos meus pais e apenas um da minha avó.

    Mas lembro me perfeitamente de ir lavar a roupa à ribeira, tal como as tripas do porco para fazer as chouriças. Ainda bem que tenho essas recordações e cresci num ambiente cheio de tradições.

    beijinhos

    ResponderEliminar
  5. Olá Luísa!!

    Muito interessante.
    É pena estas pérolas da cultura portuguesa, acabarem no esquecimento.

    Não nasci cá, mas absorvi alguma da cultura portuguesa com a minha avó, que até hoje tem solução para tudo e da forma mais inusitada.

    Beijinhos.

    ResponderEliminar
  6. por aqui, na roça , usamos as cinzas para ariar e deixar brilhando panela de alumínio, principalmente as que vão no fogão a lenha, agora, em roupas nunca ouvi dizer.
    vou procurar saber com os antigos,
    quem sabe...

    ResponderEliminar
  7. Ainda me lembro de ver as lavadeiras a lavarem a roupa no rio, mas acho que já só usavam sabão. A minha mãe também dava a roupa para lavar a uma senhora, antes das máquinas de lavar aparecerem. Mas nunca soube desse processo. Elas já deviam ser lavadeiras modernas :)

    Beijinhos, Luísa, e boa semana, para vocês!

    ResponderEliminar
  8. Hehe... Eu lembro-me de ler esses livros quando era pequena :) Achava tão engraçado e diferente dos nossos... ficava maravilhada com as descrições das meninas, sempre tão prendadas e dispostas a ajudar as mães na cozinha e nas limpezas, mas que não deixavam o laço sair do lugar (hoje em dia acho um pouco assustador a tentativa de "lavar as mentes", mas isso é outra história)... O meu pai contava-me que a minha aó também lavava a roupa assim :)

    ResponderEliminar
  9. A minha mãe que é dos Açores contou-me que faziam exactamente o que descreves! Mas julgo que a barrela só dá para tecidos de linho e de algodão puro... Pelos menos foi o que ela me disse.
    Beijinhos! :)

    ResponderEliminar
  10. Também gostei de saber. Lembro-me de em miúda ver as senhoras mais velhas lavarem a roupa em tanques públicos. A avó do meu marido era uma dessas senhoras, nunca teve máquina de lavar... Que grande ajuda nós temos hoje em dia!

    ResponderEliminar
  11. Olá, Luísa! Adorei conhecer isso! Que ideía super eco, e pelo visto deixa a roupa super branca. Muito legal (giro).
    Fiquei com vontade de arrumar cinzas de lenha (tenho que pedir em alguma pizzaria aqui de São Paulo).
    Depois colocar na água por 24 horas e coar, seria isso pelo que ví! Obrigada pela receita, isso é TRADIÇÃO!!
    Aqui no Brasil para branquear roupas se usa o "anil" um produtinho à venda nos mercados, que vem da erva/árvore anileira.
    Obrigada e boa semana.
    Dani

    ResponderEliminar
  12. Parabéns pelo blog , andei a percorrê-lo um pouco e parei neste post, para ser franco nunca fiz a lixívia de cinzas, mas já assisti a algumas conversas sobre como fazê-las.
    Só mais alguns pormenores, a cinza, para melhora a qualidade da lixívia, deve ser a mais branca e para aromatizar a barrela fervia-se juntamente algumas plantas aromáticas, no caso dos meus avós utilizavam o mentrasto (se não me engano a Mentha rotundifolia);

    ResponderEliminar